Entrevistas

"Se Deus quiser, continuarão aparecendo pessoas que trabalharão sério e ampliarão ainda mais o Ceará"

Roupeiro Júlio Abreu: dedicação, profissionalismo e bom humor

Júlio Abreu conta ao site oficial do Ceará um pouco da sua história no Alvinegro de Porangabuçu

Há 36 anos, chegava à Porangabuçu um dos maiores profissionais que já passaram pelo Ceará Sporting Club. O roupeiro Júlio Abreu chegou ao Vovô pelo ex-supervisor do Sport Club Maguary, Willian Pontes, e desde então, se firmou no clube alvinegro.

Com muito profissionalismo, dedicação e o humor cearense bastante aguçado, Júlio Abreu conquistou a todos que passaram pelo Ceará Sporting Club e agora, conta ao site oficial do clube, um pouco da sua história no Alvinegro de Porangabuçu.

CSC: Como foi a sua chegada a Ceará?
Júlio Abreu: Comecei trabalhando no Maguary no mês de agosto de 1975 e em setembro, eu vim para o Ceará. O ex-supervisor do Maguary, Willian Pontes, me conheceu e me chamou para o Ceará e até hoje eu estou no clube.

CSC:Foi torcedor de arquibancada?
JA: Quando eu era garoto, eu gostava de ver alguns jogos. Sempre que tinha oportunidades, eu ia aos jogos, mas nunca havia passado pela minha cabeça em começar a trabalhar no futebol.

CSC: Qual foi a melhor fase do Ceará?
JA:Tivemos muitas épocas boas, mas a melhor foi quando fomos pentacampeões cearenses. Futebol é assim. Queremos sempre estar ganhando e eu já vivi muitas coisas boas aqui no clube.

CSC: O que o Ceará representa na sua vida?
JA: O Ceará representa muita coisa na minha vida. Criei minha família, trabalhando no clube e colhi muitos frutos através do meu trabalho. É muito gratificante estar aqui até hoje.

CSC: Se sente em casa quando está no Ceará?
JA: Com certeza. Eu me sinto em casa estando no Ceará. Da mesma forma que trato as pessoas em casa, trato as pessoas no clube, afinal, o Ceará Sporting Club é a minha segunda casa.

CSC: E a evolução do clube?
JA: Essas mudanças que o Ceará vem passando são muito boas. Estou no clube há quase 36 anos e tenho acompanhado toda essa evolução, principalmente, com o Evandro Leitão (atual presidente do clube).

CSC: Dá para apontar os melhores e piores atletas que já passaram pelo clube?
JA: Desde que entrei no Ceará, nunca trabalhei com nenhum jogador problemático. Quando a gente trabalha sério e gosta do trabalho, a gente se molda as pessoas e não tem problemas. Eu me dou bem com todo mundo e gosto de todos os profissionais, mas há muito tempo o Ceará não tinha um atleta como o Geraldo, que era dedicado e se preocupava com todos.

CSC: Como é o Júlio Abreu dentro e fora do Ceará?
JA: Eu sou muito brincalhão. É bom ver as pessoas rindo e gosto de trabalhar brincando, assim deve ser o futebol. Em casa eu sou da mesma forma. Trato muito bem meus filhos, minha esposa e todos aqueles que eu conheço. É por conta desse meu jeito, que eu estou casado há 37 anos e tenho uma ótima família.

CSC: Tem alguma superstição?
JA: Não tenho superstição, mas não deixo de fazer aquela minha oração antes dos jogos. Sempre percebo como está o clima e aí dá para saber quando o time vai ou não fazer um bom jogo.

CSC: Você não deixa de ir a nenhum jogo do Ceará. Você assiste ao jogo de onde?
JA: Antes eu ia para as arquibancadas, mas agora que a gente já está “passado na casca do alho”, fico com o meu radinho, dentro do vestiário, aproveitando para organizar o material dos jogadores. Quando sai os gols, eu vibro, corro para todos os cantos e agradeço.

CSC: E o futuro do Ceará?
JA: Eu não sei se ainda estarei aqui, mas, pela forma como o Ceará vem crescendo nos últimos anos, acredito que vai continuar indo para frente, evoluindo e fazendo sucesso. Se Deus quiser, continuarão aparecendo pessoas que trabalharão sério e ampliarão ainda mais o Ceará.

Galeria